domingo, 16 de setembro de 2012

Incêndios florestais cobrem de tristeza a Beira-Serra

Também a freguesia de S. Martinho da Cortiça, viveu, durante a manhã  de segunda-feira dia 3, momentos de grande aflição. O incêndio que teve início às 05h40, na Carapinha, não deu tréguas aos bombeiros e habitantes daquela aldeia e seus vizinhos.
O momento mais crítico ocorreu por volta das 10h00 pois a Proteção Civil indicava que o incêndio atuava em quatro frentes, tendo passado perto da Abrunheira, Pombeiras, Ramal de Pombeiro, Sanguinheda. O vento forte que se fazia registar naquela zona, dificultava a atuação dos bombeiros. Vários focos de incêndio reacendiam em zonas dispersas.




 
Arderam mais de 170 hectares de floresta.

Os vigilantes florestais de S. Martinho da Cortiça passaram os dias e noites seguintes de prevenção redobrada, evitando reacendimentos e fazendo rescaldos

Logo na quinta-feira, dia 6 na zona de Coja as estimativas apontam para 1.000 hectares de floresta ardida. Situação semelhante aplica-se ao incêndio que deflagrou sábado, dia 8 na Serra da Aveleira, Arganil que se reacendeu domingo e durante a semana passada, onde terão ardido mais 300 hectares. Barril de Alva também foi fustigada e já ontem houve um incêndio na Serra de Santa Quitéria, Pombeiro da Beira. Nos concelhos vizinhos a situação repete-se.

O tempo extremamente seco e quente não será alheiro a estes incêndios mas não explica inícios de focos de incêndio de madrugada ou no início da noite, indiciando mão criminosa.
Os incêndios florestais aproveitam a ninguém: nesta região, colocam em risco as populações e seus bens, destroem a floresta que é uma das principais fontes de riqueza e aforro das famílias, retiram valor à madeira que impulsiona um dos principais actividades económicas, destroem as magnificas paisagens da nossa Beira Serra com prejuízos para o turismo...

É cada vez mais urgente educar as nossas Crianças de que a floresta é uma riqueza a preservar para que os Cidadãos de amanhã a possam criar meios para a defender e proteger instintivamente.

Sem comentários:

Publicar um comentário